Liga da Justiça – é foi fraquinho…

É… o filme da Liga da Justiça não foi o que eu esperava. Muito Superman, um Batman que não usou o cérebro é um Aquaman que foi o melhor herói da equipe…

Liga da Justiça é a maior e mais poderosa equipe de Super Heróis da DC Comics. Superman, Batman, Wonder Woman, Flash, Aquaman e Cyborg foram os escolhidos para representar a equipe no universo cinematográfico da DC, algo que tinha tudo para ser um estrondoso sucesso.

Mas não rolou.

Os maiores heróis do mundo se mostraram totalmente despreparados para combater uma ameaça alienígena. Se eu fosse resumir o filme diria que a Liga serviu para distrair o Lobo da Estepe (inimigo conquistador do filme) enquanto o Superman saia de seu trauma pós- ressurreição e decidia ajudar os heróis.

Bem, todos os fãs de super heróis esperavam no mínimo algo espetacular no filme da maior equipe de heróis da DC, mas… Liga da Justiça foi bem fraquinho, jogando lá embaixo minha expectativa de que seria histórico ver Superman, Batman, Mulher Maravilha e cia. juntos.

De certa forma foi histórico, já que nunca antes os maiores heróis da DC se uniram nas telas do cinema (isso mesmo, nem considero o filme de 1997 com Flash, Lanterna Verde, Caçador de Marte e etc). Mas eu esperava mais, muito mais de uma equipe liderada pelo Batman, uma das maiores mentes do universo das hq’s. Infelizmente não foi nada do que vi.

Para deixar clara minha opinião, vou falar de cada herói, assim, você entende melhor o que penso e decide se concorda ou discorda.

Superman

Foi o grande herói do filme. Na verdade, o filme gira mais em torno da volta do Superman e da expectativa dos outros heróis em como ele voltará: se um salvador santo ou um louco assassino.

Ele volta como um louco assassino.

Isso mesmo. Assim que o cara volta do mundo inferior kriptoniano, ele entra em um frenesi tão grande que detona com Flash, Mulher Maravilha, Cyborg e Aquaman. O cara é mais forte que o Aquaman e a Mulher Maravilha; Mais rápido que o Flash; e nem vamos falar do Batman Afleck, por favor.

Senão fosse a Louis Lane, que era a arma secreta do Batman, ele teria destruído a garganta do Morcego de Gotam.Enfim… ele se recusa a fazer qualquer coisa que não fosse ficar com Louis, até que ela o convence a ir ajudar o resto da Liga.

Ele chega lá, dá umas porradas no Lobo da Estepe (quando todos os outros juntos não estavam nem arranhando o cara), sai pra salvar um prédio cheio de civis, e então volta e finaliza o vilão.

Dava pra chamar o filme de Superman salva o mundo e a Liga da uma mão, porque, sinceramente, foi a impressão que deu.

Batman

Se em Superman vs Batman o ator Ben Afleck surpreendeu, trazendo às telas do cinema um Morcego de Gotham sombrio, inteligente e sagaz, em Liga da Justiça ele voltou às origens: encenou um Cavaleiro das Trevas sem graça e totalmente dispensável na trama do longa.

Batman foi um herói broxante. Sua única determinação durante o filme era ressucitar o Superman, algo que ele fez e foi bem nisso. Depois disso ele simplesmente se apagou.

Uma cena que marcou o quanto essa representação de Ben Afleck foi ridicula foi quando ele manda a equipe esperar ele entrar no domínio do Lobo da Esterpe e  desativar a barreira, se sacrificando para que eles pudessem entrar e enfrentar o monstro (lógicamente, contando que o Superman aparecesse de uma hora para a outra).

Outra cena que indignou muitos fãs foi a resposta que Batman deu ao Flash, quando o velocista escarlate perguntou ao Homem Morcego qual era seu super poder. Bruxelas Wayne respondeu “sou rico”, uma clara alusão (ou imitação) a quando Tony Stark (Homem de Ferro) responde ao Capitão América que ele era “filantropo, gênio e bilionário” – não necessariamente nesta ordem.

Resumindo, Afleck foi tudo, menos digno do manto do Batman.

Mulher Maravilha

Ela roubou a cena. Na verdade, roubou o filme inteiro.

Ao lado de Aquaman e Cyborg, a Princesa de Themiscera brilhou nas cenas de ação, foi a voz da razão na equipe, dizendo ao Batman que Superman não voltaria normal da morte.

Apesar de ter o número de cenas aumentado graças ao estupendo sucesso de seu filme solo, Gal Galdot não saturou. Pelo contrário, mostrou todo o seu talento e carisma nas lutas, discussões e na hora de expressar suas opiniões para a equipe.

Aquaman

Foi a grande surpresa da série, e, pasmem os fãs de quadrinhos, o grande alívio cômico do filme (apesar de tentarem fazer com que o Flash fosse o responsável por essa parte).

O Arthur do universo cinematográfico da DC difere muito do Aquaman sombrio e carrancudo da animação da Liga da Justiça e Liga da Justiça Sem Limites, mas também não tem nada a ver com o egocêntrico e sem graça rei dos mares das HQ’s (principalmente na versão atual – Os Novos 52).

Meio doido das ideias a ponto de berrar de alegria durante as batalhas, Aquaman não confia nos seres da superfície, mas decide ficar ao lado da Liga quando o Lobo da Esterpe ataca Atlântida.

Foi contracenando com ele que Batman conseguiu dois momentos cômicos, quando ele pergunta se Arthur pode falar com peixes.

É lógico, Jason Momoa fez a alegria das mulheres, levando as fãs ao delírio em varias cenas – remanescentes do fã clube “vai Kal Drogo!”.

Cyborg

Victor Stone foi o que mais sofreu durante o filme, já que seu pai foi sequestrado pelo Lobo da Esterpe. Porém, isso não o abalou nem o deixou para baixo se lamentando como alguns heróis que assistimos na TV (oi Oliver). O cara encarou tudo friamente e partiu pra cima, dando seu melhor para lutar com os parademonios e separar as peças da Caixa Materna.

Apesar de falar pouco, o fato de estar ligado aos computadores do mundo todo o ajudaram a colher informações, processa-las e utilizá-las na luta contra o inimigo. Sem ele, não tinha Superman, a Caixa Materna de unia, a mãe do Lobo da Esterpe era liberta e tudo tinha ido para o bebeléu.

Flash

Creio que ele foi o cara de quem os fãs tinham mais expectativa, já que seu homônimo do universo das séries da DC é o mais amado do Arrowverse. Infelizmente ele deixou muito a desejar.

Veja bem, Barry Alen é um cara inteligente. Uma das mentes mais brilhantes do Universo DC. Mas no filme o colocaram como o bobo da corte – sério, o cara não sabia onde era o leste, até parece.

Por outro lado ele se contradizia, já que toda a aparelhagem do esconderijo dele foi montada pelo próprio. Como alguém que faz tudo aquilo não sabe onde é o leste?

Para quem está acostumado com o velocista escarlate das HQ’s, da série, e até das animações, foi frustrante ver esse Barry em ação (ou quase isso, já que ele só sabia “correr e empurrar”.

Conclusão

Foi mediano. De 0 a 10, dou nota 7 para o filme da Liga, é um ponto deve-se apenas ao fato de finalmente o filme deles ter saído do papel e ido ao ar.

Liga da Justiça - parte 1

Agora teremos Aquaman, Flash – Ponto de Ignição, Batman… vamos ver o que a DC preparará para nós, já que a bilheteria do filme da Liga da Justiça não chegou nem perto de atingir o esperado.

Ficando por aqui pessoas, até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: